jump to navigation

Análise de Música: “Do Sétimo Andar” (Los Hermanos) novembro 18, 2010

Posted by Jônatas Renan in Análise de Música.
2 comments

Isso é apenas a minha interpretação, sendo assim, estou livre pra errar o quanto quiser!


Eu lírico contando a história de um intimo relacionamento dele com um viciado em drogas, do seu internamento em uma casa de recuperação de viciados, da fuga da clínica e, possivelmente, de uma tentativa de suicídio.

Estrofe 1

A música inicia já no fim. A primeira estrofe fala da procura do narrador pelo personagem que fugiu da clínica.

Fiz aquele anúncio e ninguém viu
Pus em quase todo lugar
a foto mais bonita que eu fiz,
você olhando pra mim

Desencontro, Eu Lírico à procura do personagem, preso à recordações, percorre a cidade com uma foto que possivelmente era mais bela do que útil. Essa forma de agir mostra que o narrador teria íntimas relações de amor paterno com ele.

Estrofe 2

Flashback – Tempo narrativo volta para o dia que o personagem vai para a clínica –  Eu Lírico manda o personagem para um centro de recuperação de viciados. Ação desesperada do narrador em busca de uma solução para o caso.

Alto aqui do sétimo andar
longe, eu via você
e a luz desperdiçada de manhã
num copo de café

Exata hora em que o Eu Lírico vê o personagem num quadro terminal sendo levado para a clínica;
A distância do sétimo andar pode ser observada como uma distância espiritual entre o personagem em situação terminal e o narrador; sétimo andar remete à sete palmos.
Possivelmente, o personagem em overdose durante a madrugada. Narrador sem atitude para tomar o café ou apagar a luz após enviar o personagem para a clínica. Ambiente intacto, copo de café sobre a mesa banhado pela luz da lâmpada ligada apesar de já estar claro.

Estrofe 3

Eu lírico explicando para a sua consciência os seus motivos. Repensando, enquanto olha o copo de café à mesa.

Deus sabe o que quis foi te proteger

Narrador tenta conformar-se que todas esta atitudes, foi em favor do personagem, apesar do personagem não entender bem.

do perigo maior, que é você

Intenção suicida do personagem, possivelmente mais de uma overdose presenciada pelo narrador.

E eu sei que parece o que não se diz
o seu caso é o tempo passar
Quem fala é o doutor

Narrador utiliza da conversa com o doutor da clínica para explicar suas motivações, Doutor havia dito que não havia outra saída para o personagem a não ser internar na clínica até a cura.

Estrofe 4

Segundo flashback – tempo narrativo volta ainda mais – Eu Lírico cuidando do Personagem.

Parece que foi ontem, eu fiz
aquele chá de habu

Habú (semente) – Nome científico: Cassia torosa Cav. Família: Fabaceae.
Propriedades medicinais: depurativo, diurético, estimulante geral do metabolismo, hipotensor.
O habu é uma sementinha que no interior se conhece por fedegoso. Age sobre todo o sistema geniturinário, limpando os rins e ajudando a eliminar secreções. Muitas drogas afetam os rins.

pra te curar da tosse do chulé
pra te botar de pé

Estrofe mostra o cuidado e intimidade do Eu lírico com o personagem.

Estrofe 5

E foi difícil ter que te levar
àquele lugar

Clínica de Recuperação de Viciados

Como é que hoje se diz?

Possivelmente o narrador tinha uma idade um pouco mais avançada, por não saber exatamente como chamamos a clínica de Recuperação atualmente.

Você não quis ficar

Tentativa de fuga ou de suicídio na clinica.

Estrofe 6

Fim dos flashbacks – Relacionamento das pessoas que conheciam o personagem com ele. E a busca incessante do narrador pelo personagem

Os poucos que viram você aqui
me disseram que mal você não faz
E se eu numa esquina qualquer te vir
será que você vai fugir?
Se você for, eu vou correr
Se for, eu vou.

O Personagem teria poucos amigos, não fazia, nem bem, nem mal para eles.
Retorno ao mesmo tempo da narrativa da primeira estrofe. Narrador a procura do personagem, conversando consigo mesmo.

Percebo que essa música se relaciona de alguma forma com as músicas “Primeiro Andar” e “Os Passaros”, ambas do Los Hermanos (álbum Quatro). Em Breve escrevo sobre isto.

É isso! Pessoal!

Abraço.

Preparação para a Viagem pra europa julho 28, 2010

Posted by Jônatas Renan in Sem categoria.
Tags:
add a comment

Fiz um apanhado de coisas que ainda me faltam juntar para a viagem…

1. Moleton em bom estado
2. Chinelo novo (o meu tá amarrado com grampo de cabelo da minha mae)
3. Mochila (55x40x20)
4. Travesseiro Pequeno (André vai emprestar \o/)
5. Roupa de Cama (Lençol, Coberta ligeiramente fina)

Alguém teria um desses em bom estado?

Se, Joseph Rudyard Kipling julho 9, 2008

Posted by Jônatas Renan in 1.
1 comment so far

Apesar de não ter encontrado nada que referisse Kipling (Wikipedia) com a filosofia cristã, mesmo sabendo que ele sempre foi um bom Indiano, filho de hindu e nascido em Bombaim, portanto, com grandes traços culturais, proponho, mesmo assim, analisarmos este texto numa ótica cristã, pois acredito que ele converge e retrata facilmente o que nós costumamos dizer e pouco fazemos. Tenho certeza que ao ler este texto, você ira aludi-lo as palavras de Cristo, assim como fiz.

Percebo mais de Jesus neste texto que na maioria dos textos pseudoteológicos que vejo hoje em dia…

Será que Deus está usando as pedras?

Se,

Se és capaz de manter a tua calma quando
Todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa;
De crer em ti, quando estão todos duvidando
E para estes no entanto, achar uma desculpa;
Se és capaz de esperar sem te desesperares,
Ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
e não parecer bom demais nem pretensioso.

Se és capaz de pensar – sem que a isso só te atires;
De sonhar – sem fazer dos sonhos teus senhores;
Se, encontrando a derrota e o triunfo, conseguires
Tratar da mesma forma a estes dois impostores
Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas
Em armadilhas as verdades que disseste,
E, as coisas porque desta vida, estraçalhadas,
E refazê-las com bem pouco que te reste;

Se és capaz de arriscar numa única parada
Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida,
E perdes, e ao perder, sem nunca dizer nada,
Resignado tornar ao ponto de partida;
De forçar coração, nervos, músculos, tudo,
A dar, seja o que for, que neles ainda existe
E a persistir assim quando exausto, contudo,
Resta a vontade em ti, que ainda ordena: persiste!

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes,
E, entre reis, não perder a naturalidade;
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes;
Se a todos podes, ser de alguma utilidade,

Kipling

E se és capaz de dar, segundo por segundo
Ao minuto fatal todo valor e brilho:
Tua é a terra com tudo o que existe no mundo
É – o que é muito mais – és um Homem, meu Filho!

Joseph Rudyard Kipling

É proibido pensar? março 27, 2008

Posted by Jônatas Renan in Music.
2 comments
João Alexandre

Não vou comentar este post.
Apesar de não concordar cabalmente com o João Alexandre, essa música fez-me perceber que não sou o único que vê algo errado neste sistema. Vai o link da musica no YouTube e a transcrição da letra:

É Proibido Pensar (É Proibido Pensar – 2007)
Compositor: João Alexandre
Procuro alguém pra resolver meu problema
Pois não consigo me encaixar neste esquema
São sempre variações do mesmo tema
Meras repetições

A extravagância vem de todos os lados
E faz chover profetas apaixonados
Morrendo em pé, rompendo a fé dos cansados
Que ouvem as suas canções

Está de bem com vida é muito mais que renascer
Deus já me deu sua palavra
E é por ela que ainda guio o meu viver

Reconstruindo o que Jesus derrubou
Re-costurando o véu que a cruz já rasgou
Ressuscitando a lei e pisando na graça
Negociando com Deus

No show da fé milagre é tão natural
Que até pregar com a mesma voz é normal
Nesse “evangeliquês” universal
Se apossando do céus

Estão distantes do trono, caçadores de deus
Ao som de um shofar
E mais um ídolo importado dita as regras
Pra nos escravizar.
Meras repetições

É Proibido pensar (5x)
Procuro alguém pra resolver meu problema
Pois não consigo me encaixar neste esquema
São sempre variações do mesmo tema

É Proibido Pensar

Meras repetições

Meras repetições

É proibido pensar

Banco de Esperança? março 25, 2008

Posted by Jônatas Renan in Ciência.
3 comments

Noruega inaugura ‘cofre do fim do mundo’ para proteger sementes [BBCBrasil.com]

Banco de Sementes

Banco de Esperança?

Enquanto alguns abraçam na crença da fé a sensação de domínio do caos e o poder de evadir-se da morte, outros confiam em aparatos tecnológicos como este aí… Será que se o mundo vivesse realmente um grande desastre a ponto de ser chamado de “o fim do mundo”, ele poderia ser salvo por um grande silo de sementes?

Confiar em algo tão banal como única fonte de esperança me faz sentir tão pequeno e esconder de mim mesmo… Minha consciência não pode aceitar o simples fato de não poder acreditar que o fim é, na verdade, só o começo.

Será que existe alguém, ateu o bastante para descrer da esperança?

Mesmo que não se acredite em nenhum deus, acredita-se em algo, seja no trabalho, seja na própria ciência ou até em um cofre de sementes… e este algo se torna o deus da tua vida…

Neste caso este silo é o deus que eles esperam que traga o refrigério e a paz numa situação caótica.

Tomara que eles estejam no caminho certo…

Olá mundo! março 24, 2008

Posted by Jônatas Renan in Miscelânea.
3 comments
Nada melhor que um “Olá Mundo!” no início deste blog. Não remove-lo pode parecer algo preguiçoso para muitos por ser a mensagem inicial padrão da wordpress e pra muitos não terá significado algum. Entretanto para mim tem um grande valor agregado. Um “Hello World!” reflete uma parte do profissional da TI e Programador entusiasta que há em mim e em milhares de pessoas. Esta pertinente saudação não poderia ficar de fora aqui no Alto e Claro. Hello World

Um abraço e Hello World!

“…do Início e para o topo …”
Jônatas Renan